Tem sido incompreensível e de uma grande insensibilidade política e de um total desrespeito pelo direito à negociação coletiva, o silêncio com que o Ministro da Educação (não) tem respondido aos problemas apresentados pela FNE, e que refletem um conjunto de fragilidades que a nossa escola e o nosso sistema de ensino vivem atualmente.